Uma opção realmente ecológica é a especificação de revestimentos vinílicos, como as linhas Wood Planks, EcoCLick, EcoContract, EcoContract Stripes, EcoHome, EcoCorp e EcoRock, da ePiso.

ePiso

Estes revestimentos são produzidos a partir de matéria prima reciclada e também são recicláveis. Além disso, todas as linhas têm certificação ISO 9001 e ISO 14001, uma norma internacionalmente reconhecida que define o que deve ser feito para estabelecer um Sistema de Gestão Ambiental (SGA) efetivo e que tem o objetivo de criar o equilíbrio entre a manutenção da rentabilidade e a redução do impacto ambiental.

A reciclagem do PVC não é uma novidade. Acontece desde o início da sua produção e vem sendo ampliada em todo o mundo em função do crescimento populacional e do aumento do poder aquisitivo, embora se trate de um produto com longa durabilidade. Para ter uma ideia, 64% dos produtos de PVC têm vida útil entre 15 e 100 anos. Entre eles estão os pisos vinílicos e demais materiais utilizados no segmento da construção.

De acordo com a pesquisa “Monitoramento do Índice de Reciclagem Mecânica do PVC no Brasil”, realizada pelo Instituto do PVC, o índice de reciclagem do PVC no Brasil vem se mantendo em um patamar similar ao dos países da União Europeia, que é de 24,1%.

Uma pesquisa encomendada pelo Instituto do PVC mostra que a indústria brasileira de reciclagem mecânica reciclou 17,1% do total de PVC pós-consumo gerado em 2014, ou seja, foram recicladas 22,9 mil toneladas das 134,2 mil toneladas geradas naquele ano.

Outro estudo revelou os benefícios dos plásticos para o meio ambiente quando são utilizados em setores industriais estratégicos para a economia brasileira, como o automotivo, da construção civil e têxtil. Desenvolvido pelo Laboratório de Sistemas Avançados de Gestão de Produção (SAGE/COPPE), da Universidade Federal do Rio de Janeiro, calculou as emissões de CO2 equivalentes (CO2-eq) evitadas e evitáveis pelo uso de produtos plásticos em substituição a outros materiais tradicionais. Iniciada em 2013, a pesquisa constatou que o plástico pode contribuir para a redução das emissões de CO2 na atmosfera.

Estes índices poderiam ser ainda mais representativos com a intensificação de sistemas de coleta seletiva de resíduos pós-consumo. O Brasil tem 5.565 municípios, dos quais apenas 443, ou seja, 8%, contam com algum tipo de coleta seletiva e, invariavelmente, deficiente. Ainda assim, a reciclagem de plásticos no Brasil é uma realidade que gera empregos e renda.

Os segmentos da construção civil e arquitetura são responsáveis pelo consumo de mais de 60% do mercado brasileiro do PVC. Onde existe modernidade e conforto existe o PVC, um material atóxico, leve, sólido, resistente, impermeável, estável e que não propaga chamas. Tem qualidades que o tornam adaptável a múltiplos usos, da garrafa ao piso vinílico. Já é o principal elemento das grandes edificações (residenciais e comerciais) nos países do primeiro mundo.

Saiba mais…
O Policloreto de Vinila (PVC) é um polímero termoplástico produzido a base de sal e petróleo, ou gás natural, resultando num material auto extinguível, inerte e reciclável, de forma a não agredir a natureza. Para cada uma, dentre as muitas utilizações da resina, é necessário formular um composto específico através da adição de componentes diversos. Por exemplo, as formulações para janelas são completamente diferentes das utilizadas para tubos ou de piso vinílico.

Serviço:
ePiso
(21) 2225-6277

Homepage